A Mulher Somente é Vítima do Estupro Por Não Saber se Comportar?


Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) realizada com 3.810 pessoas de 212 cidades  entre maio e junho de 2013 apontou dados que gerou impacto na sociedade brasileira. Os resultados revelaram que 58.5% dos entrevistados disseram que concordam totalmente que a mulher somente é vítima de estupro por não saber se comportar.  Quanto às roupas das mulheres, 65% concordaram que mulheres que mostram o corpo merecem ser atacadas. O que podemos concluir com tal estudo?

Existe um forte estereótipo em relação às mulheres nos fatores culturais e sociais que as desvalorizam. Elas dominaram o mercado de trabalho e garantiram seus direitos na sociedade, mesmo assim o respeito com a própria imagem da mulher não é fundamentada em respeito. Os homens não respeitam as mulheres como deveriam e isso dificulta ainda mais quando elas próprias não se valorizam. Pense na quantidade de músicas atuais que menosprezam à mulher, com as letras que apenas citam o corpo e o desempenho sexual para que ela seja lembrada e ovacionada. Tudo bem que desde os anos 1960 isso já acontecia, mas de maneira romântica e não hostil. A Garota de Ipanema consegue destacar a beleza de uma jovem morena sem desrespeitá-la: Olha que coisa mais linda/ Mais cheia de graça / É ela menina/ Que vem e que passa/ Num doce balanço / A caminho do mar. Agora repare na letra desse funk cantada por MC Maneirinho intitulada Mina Total Flex: Essa mina é total flex/ Ela fode em doze dupla/ Senta ká buceta i pula ká bunda. Somente os homens frequentam os bailes funks? Óbvio que não. Um dos principais motivos para eles irem é pela presença das mulheres. Isto também gerou uma imagem de que as funkeiras disponibilizam o sexo de forma fácil, bastando ir ao baile funk. Não é raro ver adolescentes de 10 a 15 anos ouvindo funk e dançando, sem o menos se dar conta da mensagem da música. Nos programas de televisão as próprias mulheres dançam músicas que as desvalorizam, em um encantamento de ignorância abastecido pelo ritmo da música e a omissão pela letra. 
O gosto musical e a forma de se vestir não devem ser motivos para uma mulher ser estuprada, nenhum ser humano merece algo tão cruel. Mas a nossa sociedade ainda não consegue se desvincular dos estereótipos e do preconceito. Tanto a ignorância em se produzir músicas e tendências que vão contra à valorização das mulheres, mas que são aceitas e difundidas por elas próprias, mostram isso. Outro viés que revela a hipocrisia é quando se pratica as "encoxadas" nos ônibus e trens lotados. Eles também costumam olhar bundas como sem fossem cachorros diante de um pedaço de carne - muitos homens que praticam tal abuso têm esposas e filhas - isso não é demonstração de desejo sexual, é desrespeito amplamente praticado. Também é ignorância pensar que todo negro e mal vestido é ladrão e que toda mulher de roupa curta é "puta". E por mais que seja, nem mesmo a "puta" merece ser violentada. 


Veja outros resultados da pesquisa:

A mulher casada deve satisfazer o marido na cama, mesmo quando não tem vontade:
14% concordam totalmente
13,2% concordam parcialmente
54% discordam totalmente
11,3% discordam parcialmente
7% se dizem neutros em relação à afirmação

Tem mulher que é pra casar, tem mulher que é pra cama:
34,6% concordam totalmente
20,3% concordam parcialmente
26,4% discordam totalmente
8,9% discordam parcialmente
9,5% se dizem neutros em relação à afirmação

Homem que bate na esposa tem que ir para a cadeia:
78,1% concordam totalmente
13,3% concordam parcialmente
5% discordam totalmente
2% discordam parcialmente
1,6% se dizem neutros em relação à afirmação

Dá para entender que um homem que cresceu em uma família violenta agrida sua mulher:
18,1% concordam totalmente
15,8% concordam parcialmente
54,4% discordam totalmente
9,3% discordam parcialmente
2,4% se dizem neutros em relação à afirmação

A questão da violência contra as mulheres recebe mais importância do que merece:
10,5% concordam totalmente
11,9% concordam parcialmente
56,9% discordam totalmente
16,2% discordam parcialmente
4,5% se dizem neutros em relação à afirmação

Casos de violência dentro de casa devem ser discutidos somente entre os membros da família:
33,3% concordam totalmente
29,7% concordam parcialmente
25,2% discordam totalmente
9,3% discordam parcialmente
2,5% se dizem neutros em relação à afirmação

Quando há violência, os casais devem se separar:
61,7% concordam totalmente
23,3% concordam parcialmente
8,8% discordam totalmente
3,8% discordam parcialmente
2,4% se dizem neutros em relação à afirmação

A mulher que apanha em casa deve ficar quieta para não prejudicar os filhos:
7% concordam totalmente
8,5% concordam parcialmente
69,8% discordam totalmente
12,3% discordam parcialmente
2,4% se dizem neutros em relação à afirmação.

Um homem pode xingar e gritar com sua própria mulher:
3,9% concordam totalmente
4,9% concordam parcialmente
76,4% discordam totalmente
12,8% discordam parcialmente
2% se dizem neutros em relação à afirmação 


IPEA Reconhece Erro em Pesquisa 

Após uma semana da divulgação nos resultados citados acima, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada reconheceu que existe erro quanto ao índice que indicava que as "mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas". Na verdade, o número é 26%, conforme a correção abaixo:


Correto: 
Discorda totalmente Discorda parcialmente Neutro Concorda parcialmente Concorda totalmente
             58,4%              11,6% 3,4%               12,8%             13,2%

Como foi publicado:
Discorda totalmente Discorda parcialmente Neutro Concorda parcialmente Concorda totalmente
            24%              8,4%                      1,9%                  22,4%               42,7%

A divulgação do resultado inicial gerou controvérsias e discussões nas redes sociais e na mídia. Após o erro ter sido percebido, o diretor da área de Estudos e Políticas Sociais, Rafael Osório, pediu exoneração do cargo.

Fontes: http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/03/27/maioria-diz-que-mulher-com-roupa-curta-merece-ser-atacada-aponta-pesquisa.htm

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Oii
    Que coisa mais revoltante né?
    Gente, todo mundo tem direito sobre o próprio corpo e cada um faz o que quiser com ele. Somos seres humanos e não mercadorias à venda no mercado onde cada um pega e faz o que bem entende. Dizer que tá certo estuprar uma mulher só por causa de como se veste e se comporta é absurdo, pré histórico, ignorante ao extremo.
    Então se for assim, quem faz tatuagem merece pegar hepatite só porque usou uma agulha pra desenhar o corpo?
    Quem come doce merece uma cárie das grandes só porque come doces?
    Quem pinta demais o cabelo merece ficar careca só por que faz muita química?
    Quem não usa protetor solar merece ter câncer de pele?
    ABSURDO demais. Se for pra responder Sim, uma mulher merece ser estuprada pelo jeito como se veste, então teremos que responder sim às outras questões acima.
    Ignorância demais já e machismo também. Isso é desculpa esfarrapada pra se cometer uma violência abominável contra a vida, a liberdade e o direito de uma mulher. Quantas crianças que não tem culpa de nada estão sofrendo isso? Quantas meninas pré adolescentes que às vezes vêem algo na TV e querem copiar, inocentes agora passam por isso?
    E enquanto houver gente respondendo sim à algo como essa pesquisa, continuaremos vendo impunidade e atrocidades dia após dia.
    Tá ai minha opinião.

    Beijos e fica com Deus

    Ivana
    http://omundinhoderebecca.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Son terribles estos datos, siento vergüenza ajena, de que todavía haya tantas personas (más bien, bestias), que piensen así.
    Saludos.

    ResponderExcluir

- Sem palavrões
- Deixe seu e-mail para que avise a você quando tiver respondido o seu comentário

Seu comentário é muito importante! Faça sua pergunta e irei te responder assim que possível!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...