Fotografia - Antônio Carlos Jobim

Nessa composição, Tom Jobim evidencia os momentos ao lado de um amor em um terraço na beira do mar, que diante do nome da música - Fotografia - leva a crer que foi eternizado por uma imagem fotográfica. Posteriormente, a tarde cai e em cores se desfaz e aquela luz lá embaixo se ascendeu e logo o casal está em um bar que já está para fechar. Este último trecho, ressaltado por "Parece que este bar já vai fechar", transmite a ideia de que o momento iniciado no terraço perdurou transcendendo o tempo, mas logo ela teve que ir embora.

E as várias músicas que contam a história desse amor, como no trecho "E há sempre uma canção/ Para contar/ Aquela velha história/ De um desejo", permite interpretar que o momento no qual o casal estava na beira do mar é um passado, onde um beijo significativo foi dado. A fotografia permite recordar esse momento, onde eles passaram a tarde no terraço na beira do mar, com uma tarde que seguida de um bar que fecha no início da noite, com a mulher tendo que ir embora e um beijo selando o dia especial, terminando a música.






Fotografia
(Tom Jobim)
Eu, você, nós dois
Aqui neste terraço à beira-mar
O sol já vai caindo e o seu olhar
Parece acompanhar a cor do mar
Você tem que ir embora
A tarde cai
Em cores se desfaz,
Escureceu
O sol caiu no mar
E aquela luz
Lá em baixo se acendeu...
Você e eu
Eu, você, nós dois
Sozinhos neste bar à meia-luz
E uma grande lua saiu do mar
Parece que este bar já vai fechar
E há sempre uma canção
Para contar
Aquela velha história
De um desejo
Que todas as canções
Têm pra contar
E veio aquele beijo
Aquele beijo
Aquele beijo

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

- Sem palavrões
- Deixe seu e-mail para que avise a você quando tiver respondido o seu comentário

Seu comentário é muito importante! Faça sua pergunta e irei te responder assim que possível!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...